Advogada tenta entrar com 286 chips e 24 celulares na PCE e é presa

 

A advogada Elvira Kelli de Almeida Cruz foi presa em flagrante tentando entrar com chips, celulares e drogas na Penitenciária Central do Estado (PCE). O crime aconteceu na tarde desta quarta-feira (5).

Elvira estava com 286 chips, 24 celulares, oito carregadores, quatro fones de ouvido e um adaptador de cartão de memória, além de entorpecentes. Tudo dentro de sua bolsa.

Na hora da revista pessoal na entrada do presídio, a advogada se negou a entregar sua bolsa aos agentes sob a alegação de que na sacola haveria somente material de trabalho. Os advogados em visita aos clientes tem a prerrogativa de não passar pela revista.

Contudo, Elvira já era monitorada há um mês pelos agentes do Sistema de Operações Especiais (SOE), pois a advogada sempre se utilizava do mesmo argumento para impedir a revista, de acordo com a assessoria da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).


Segundo os agentes penitenciários, a advogada teria deixado os utensílios no banheiro para um reeducando que trabalha na limpeza do presídio levar até os raios 2 e 3. Devido ao monitoramento do SOE, os agentes fizeram um varredura no local e encontraram celulares e drogas no local.

Com isso, foi dada voz de prisão à advogada que foi encaminhada ao CISC Planalto. Antes de ser levada, ela entrou em contato com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) e pediu que algum representante fosse acompanhá-la.


Na delegacia, Elvira disse apenas que os celulares, chips e carregadores não pertenciam a ela e que armaram o caso para tentar incriminá-la. “Eu fui visitar meus clientes. Entrei no banheiro e quando sai falaram que eu tinha levado esses negócios pra lá. Eu sou inocente”, afirmou a advogada.

 

Por:  Hiper Notícias