CULTURA - Autor lança livro sobre sua família

08/10/2013 10:07


Será lançado em noite de autógrafos, neste próximo dia 11, no Teatro ‘Fernando Peres’ da Prefeitura de Barra do Garças, o livro A Verdadeira Cor de Bonina, do contador e escritor memorialista Colombo Miranda Noleto, filho de tradicional família barra-garcense, cuja mãe, Maria Nazareth empresta, com merecida honra, seu saudoso nome a uma escola estadual no Jardim Pitaluga.

A história de Colombo Noleto não foge em demasia à regra de outras famílias da cidade e região. Maioria delas descendentes das terras nordestinas que aqui aportaram nos tempos em que Barra do Garças era conhecida como Barra Cuiabana e não passava de uma pequena vila ou, se preferirem, um distrito da histórica Araguaiana.

Em um daqueles barcos que navegavam no ainda caudaloso Araguaia, a Gazita, trouxe o aventureiro Alcides Noleto, que o destino quis que ele hospedasse na pensão de Dona Tarcila, a mãe de Maria Nazareth. Bastou que trocassem alguns olhares, para que os dois jovens decidissem pelo mar frondoso da paixão, porque o amor era bem mais simples naqueles dias do nosso passado histórico.

Tempos depois, já casados, começaram a formar uma grande família, o que era comum naquela época. Assim como era comum a vida simples no calor de quase todas as casas. Desde menino Colombo começou a observar esses traços familiares e, mesmo sem fazer anotações, conseguiu resgatar um belo registro de sua infância, de seus pais, de sua juventude, de seus colegas, da cidadezinha pacata que era Barra do Garças.

Além de fazer uma travessia de sua infância colorida, Colombo registra o cotidiano de sua família, falando de si mesmo, de nós, os humanos, da amizade, de suas crenças, do amor, de seus vícios de cada dia, da felicidade, do sucesso, do velho, do cachorro e do menino, para depois voltar as suas origens nas terras do Maranhão, que visitou mais de uma vez para colher dados em cartórios, conversar com contemporâneos de seus pais, parentes a com a gente amiga daquele estado.

A beleza de seu livro está na maneira como Colombo enxerga as coisas. Há um trecho emocionante que se passa num acampamento desses que se faz nos finais de semana, mas que às vezes passamos o dia e as coisas passam pela gente sem que percebamos. Ao contrário, Colombo busca a grandiosidade nas pequenas coisas e termina por encontrá-las.

O autor traz para a geração de agora a árvore genealógica dos Noleto e curiosidades em torno do nome de sua família. Não se tem dúvida de que seu livro foi feito com paixão, muita paciência e pesquisa. Não si trata de um livro perecível, mas para a constante pesquisa sobre Barra do Garças, sua gente, seus costumes.

Por último, Colombo faz um pequeno anexo a que denominou Álbum de Família. Logo de início, em pleno cerrado, está a Escola Cristino Cortês e a professora Maria Nazareth à frente de centenas de meninos daquele nosso princípio histórico, além da Praça do Queijo que poucos pensavam que um dia passaria daquilo.

As fotos de famílias são antológicas pela vestimenta, o pentear de cabelos, a simplicidade e o estilo que marca a vida de cada um de nós. E, para quem gosta de esportes, Colombo estampa uma foto do Garças Futebol Clube, remanescente do Galo da Serra. Entre nossos craques daquela época está o memorialista Lídio Pereira da Silva, o pai de Colombo, Alcides Pereira Noleto e o legendário Cacique, ali num campinho onde hoje fica a Praça da Matriz de Santo Antonio, na Cidade Velha.

 

Colombo Miranda Noleto