Laudo atesta presença de cocaína em modelo morta

11/10/2013 09:59
(Foto: Reprodução0

(Foto: Reprodução0


Laudo complementar do Exame Toxicológico feito nas vísceras da modelo Louanna Adrielle Castro Silva, de 24 anos, foi encaminhado nesta quinta-feira (10/10) para a Polícia Civil confirmando a presença de cocaína nas amostras avaliadas. O laudo é assinado pelos peritos criminais Rafael Venson e Flávia Pine Leite, do Instituto de Criminalística (IC).

A modelo, que era a Miss Jataí Turismo 2012, morreu no dia 1º de dezembro do ano passado, durante cirurgia para colocar próteses de silicone nos seios, no Hospital Buriti, no Parque Amazônia, em Goiânia. Logo após a colocação da primeira prótese, Louanna Adrielle sofreu uma parada cardíaca. Como no hospital não havia unidade de terapia intensiva (UTI), ela foi levada a outro hospital, onde morreu.

Na época, a médica anestesiologista Beatriz Vieira Espindola, que participou da operação feita pelo cirurgião plástico Rogério Morale de Oliveira, disse em depoimento à polícia, que a jovem apresentou reações típicas de quem usava algum tipo de droga.

As circunstâncias da morte e o atestado de óbito revoltaram a família. "O atestado diz que ela era usuária de drogas, cocaína e ecstasy, o que teria provocado as duas paradas", disse Giuliano Cabral Chaves, noivo de Louanna. Eles viviam juntos há dois anos e pretendiam se casar em 2013.

A suspeita constou em relatório médico que foi entregue ao Instituto Médico-Legal (IML) na época. Por causa da suspeita da anestesiologista, a então titular do 13º Distrito Policial (DP), delegada Miriam Borges solicitou ao IC exame toxicológico das vísceras da modelo.

Para a polícia, o cirurgião plástico disse que não houve erro médico e que pode ter havido alguma complicação cardíaca e que a morte dela foi uma fatalidade.

O delegado titular do 13º DP, Fernando de Oliveira Fernandes, recebeu o laudo ontem e disse que ele não prova que a modelo morreu em decorrência do uso de droga. Segundo ele, somente quando o exame cadavérico ficar pronto é que ele terá como dizer se houve imperícia, imprudência ou negligência da equipe médica.


(Com informações de O Popular)