Presidente da Câmara Municipal 'desaprova' reportagem e tenta agredir jornalista

Foto: Divulgação

Vereador Luciano de Souza Silveira (PTB), o

Vereador Luciano de Souza Silveira (PTB), o

O Dia das Mães por pouco não terminou em tragédia, em Vila Rica – 1,2 mil quilômetros – por conta de um desentendimento do vereador Luciano de Souza Silveira (Pros), o Lucianinho, 27 anos, com o jornalista Evandro Carlos Fracasso, diretor do Jornal da Notícia, um dos principais da região Norte do Araguaia. 

Supostamente por não 'aprovar a reportagem' intitulada 'Presidente da Câmara de Vila Rica se empolga e é desmentido ao vivo em evento esportivo', veiculada no jornal da vítima, publicada recentemente, Lucianinho invadiu a residência de Maria Benilde Padilha Fracasso, mãe de Evandro, na tarde deste domingo, com o intuito de agredi-lo.

Embora seja do Pros, Luciano Silveira é considerado homem forte do deputado estadual Baiano Filho (PMDB), na região Norte do Araguaia, e por isso estaria repetindo, em alto e bom tom, nos locais públicos, que tem o poder de “mandar prender e soltar, em Vila Rica”. 

“Ele invadiu a casa da minha mãe, entrou na sala e se dirigiu ao quarto, onde eu estava descansando, logo após do almoço em família do Dias das Mães, com meus pais idosos e meus três filhos menores”, citou Evandro. “O cidadão chutou a porta do quarto e, quando abri, tentou me agredir, além de me ameaçar... Foi me agredir, num domingo, usando o carro oficial da Câmara de Vila Rica”, pontuou Fracasso, no Boletim de Ocorrência lavrado na Delegacia de Polícia Judiciária Civil de Vila Rica.

A reportagem do Olhar Direto tentou ouvir Lucianinho Silveira, mas não obteve êxito. Além disso, o Olhar Direto também telefonou na Câmara de Vila Rica (066-3554-1200), mas 

sem

 sucesso. Veja o link da provável reportagem da discórdia.
http://www.jornaldanoticia.com.br/noticia_select.php?id=6469#.U3EW94FdVMk 




Impeachement 

Em julho do ano passado, foi pedido o afastamento de Luciano Silveira (PTB) do cargo de presidente da Câmara Municipal. O motivo seria uma Ação Popular, movida pelo advogado Célio Oliveira de Souza Júnior, suspendendo as nomeações de chefe do Poder Legislativo. E, ainda, devolverem aos cofres públicos os valores recebidos a titulo. 

Lucianinho escapou da cassação por uma articulação política de última hora, organizada por seus aliados no Poder Legislativo. Ele escapou do impeachment por muito pouco. Na época, a decisão do juiz Ivan Lucio Amarante, da Comarca de Vila Rica, definiu que as nomeações de Luciano Silveira foram realizadas por meio de portaria, de forma ilegal. 

 

Da Redação - Ronaldo Pacheco

 

Comentários

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário