Sandro Saggin faz reunião com apoiadores de sua campanha

Semana7.com

 

 

O advogado e empresário Sandro Saggin (Pros) realizou na noite de ontem, (28), em sua residência no setor Dermat, uma reunião onde participaram cerca de 50 pessoas, entre apoiadores, profissionais liberais, comerciantes, empresários do agronegócio e gente do povo quando o candidato a deputado federal falou sobre este início de campanha “que será marcada pela simplicidade, propósitos e pés no chão”, acentuou.

Sandro Saggin ressaltou ainda que esperou o momento certo para tomar a decisão de sair candidato à Câmara dos Deputados pelo Araguaia. “Debatemos, avaliamos e chegamos a esta conclusão que teve a participação do candidato ao Senado, Wellington Fagundes” (PR), representado na ocasião pelo coordenador de campanha, João Bosco de Aquino Araújo.

A conclusão a que se referiu o candidato girou em torno do consenso de seu nome a deputado federal na região do Araguaia, cujo contingente eleitoral soma quase e milhões de votos. Saggin citou na ocasião o suplente de deputado Eduardo Moura (PPS) que ano passado assumiu por alguns meses “e tão bem representou nossa gente no Congresso Nacional”, disse.

Sandro Saggin pertence a coligação liderada pelo candidato ao governo de Mato Grosso, Lúdio Cabral, (PT), que em recente pesquisa realizada em Cuiabá, segundo disse, liderava à frente de outros concorrentes ao Paiaguás. “Estamos no caminho certo porque estamos do lado do povo que tão bem conhece nossa realidade. Estamos convictos do apoio da presidente Dilma Rousseff para vencermos as eleições em outubro”, disse.

Finalizando, o candidato disse que o Araguaia, desde os tempos de Wilmar Peres governador (1986-1987) não tem um deputado federal. “Este é o momento de buscarmos os votos da nossa gente, debater nossos problemas, de vencer com a vontade e o apoio de todos”.

Nos arremates Sandro Saggin lembrou o papa Francisco que em certa ocasião, ao se referir ao minado campo político disse: “Envolver na política é uma obrigação cristã. Não podemos fazer como fez Pilatos, lavar as mãos. A política está suja porque os cristãos não se envolvem nela com verdadeiro espírito evangélico”.

 

Por: WANDERLEY WASCONCELOS