‘Temos compromisso com as reformas’, diz Taques sobre apoio a Temer

16/07/2017 16:03

O governador Pedro Taques (PSDB) defendeu que o partido decida a permanência no Governo Temer, acusado de corrupção passiva pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em reunião da Executiva Nacional do PSDB.


DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques (PSDB) desconversou sobre sua opinião pessoal a respeito da manutenção do partido na base aliada do presidente Michel Temer (PMDB) e disse que a sigla tucana “tem compromisso com as reformas, independente do governo”.

Taques pontuou que as reformas, em especial a trabalhista, sancionada por Temer essa semana, estão sendo aprovadas, o que mostra que estão em andamento. No Congresso, tramitam ainda a reforma política e a previdenciária.

“Desde a década de 1950 estamos buscando mudar as leis trabalhistas, sem suprimir direitos dos trabalhadores e adaptando ao momento histórico que vivemos”, comentou o governador.

 

“O PSDB tem compromisso com o Brasil, tem compromisso com as reformas, independente do governo”, concluiu Pedro Taques.


“Governadores, o presidente de honra do partido, o ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, não significam a Executiva do partido. A Executiva decidiu que deveríamos estar no Governo, com quatro ministros, e só a Executiva pode voltar atrás”, afirmou, referindo-se à reunião da cúpula tucana realizada na última segunda-feira (10), que liberou os deputados federais para votarem como desejarem em relação à admissibilidade da denúncia contra Temer no Supremo Tribunal Federal (STF).Ele defendeu que o partido decida a permanência no Governo Temer, acusado de corrupção passiva pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em reunião da Executiva Nacional do PSDB.

O presidente estadual da sigla, o deputado federal Nilson Leitão, apoia que o PSDB se mantenha na base aliada até o fim das votações das reformas, para então analisar a respeito da permanência no Governo.

“O PSDB tem compromisso com o Brasil, tem compromisso com as reformas, independente do governo”, concluiu Pedro Taques.