Tragédia que matou pai e 4 filhos na Br 070 pode ter sido ação suicida do pai por causa de separação

 

Correio Braziliense

 

O acidente envolvendo um carro e uma carreta que matou cinco pessoas, entra elas quatro crianças, na BR-070, sábado (24), pode ter sido o desfecho de uma história familiar e amorosa conturbada. “Hoje, 24 de janeiro, será o último dia que você verá seus filhos e seu marido”, escreveu Marcos Aurélio Almeida Santos, 42 anos, no bilhete deixado para a ex-mulher Samara Alves da Silva, 24 anos.

O recado foi o aviso do fim trágico da relação entre os dois. Essa é uma das principais linhas de investigação da 17ª Delegacia Regional de Polícia, em Águas Lindas, que trata o caso como homicídio e suicídio. A ocorrência será encaminhada para a Delegacia de Cocalzinho.

A polícia suspeita que o pai, que estava na companhia dos filhos, jogou o carro pra cima do caminhão de forma intencional para contrariar a ex-esposa.

Entre idas e vindas, Marcos Aurélio e Samara estavam juntos havia cerca de sete anos. Vizinhos contam que as brigas do casal eram constantes, inclusive, duas ocorrências de violência doméstica foram registradas por Samara contra o ex-marido. Ela pediu à Justiça, por duas vezes, medida protetiva de urgência com base na Lei Maria da Penha. Mas nenhum dos dois processos teve a sentença.

Embora tivesse freqüentes desavenças com a mulher, vizinhos, que preferiram não se identificar, relataram ao Correio que Marcos era atencioso e zeloso com os filhos — Tainá Alves dos Santos, 5 anos, Marcos Eduardo Alves dos Santos, 4, Luciano Alves dos Santos, 3; e João Pedro Alves, 2. Todos morreram com o acidente. Um dia após a tragédia que matou pai e filhos, amigos e familiares não entendem por que Marcos decidiu tirar a vida das crianças. “Ele era um paizão. Muito dedicado aos filhos”, comentou uma vizinha.

Os dois moraram em uma residência na Vila São José de Vicente Pires. “Ele era muito ciumento e possessivo. Queria sufocar e ditar as regras. Ela (Samara) tentou a separação algumas vezes. Queria ser livre, mas com os filhos”, contou a vizinha.

O morador de uma casa próxima chegou a ouvir, por várias vezes, as brigas e objetos quebrando dentro da casa de Marcos e Samara. Os relatos são de que o mecânico tinha rompantes, perdia o controle emocional e havia ameaçado de morte a ex-mulher. “Ele (Marcos) queria muito aquela família, mas do jeito dele”, disse uma conhecida.

 

Correio Braziliense / Roberta Pinheiro, Arthur Paganini e Flávia Maia