Prefeito relata ameaças de morte e pede socorro ao Governo

13/02/2018 12:22

Valdir Rio Branco, prefeito de Nova bandeirantes, tem recebido ameaças de morte, além de ser investigado por um incêndio criminoso na Prefeitura.


DA REDAÇÃO

O prefeito de Nova Bandeirantes (1.026 km ao Norte da de Cuiabá), Valdir Pereira dos Santos (PSB), conhecido como Valdir Rio Branco, pediu ajuda ao governador Pedro Taques (PSDB) e ao secretário de Segurança Pública, Gustavo Garcia, após receber ameaças de morte.

A situação vem à tona após a execução do prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes, em dezembro de 2017. Como noticiado pelo Repórter MT,  o prefeito de Aripuanã (1.002 Km a Noroeste de Cuiabá), Jonas Canarinho (PR) mudou de casa para garantir maior segurança à família, pois também vinha sendo ameaçado de morte.

Internauta

Fogo prefeitura Nova Bandeirantes

Incêndio criminoso destruiu documentos na prefeitura.

Segundo Valdir, um dos assuntos tratados com o governador tem relação com as investigações do incêndio na Prefeitura.

"A gente vive em preocupado e em constante ameaça. Até porque quem teve coragem de colocar fogo em uma prefeitura, tem coragem de fazer qualquer coisa", disse o prefeito.

 

O incêndio que o prefeito relata, aconteceu no início de outubro de 2017, quando dois criminosos armados invadiram e atearam fogo no prédio da Prefeitura."A gente vive preocupado e em constante ameaça. Até porque quem teve coragem de colocar fogo em uma Prefeitura, tem coragem de fazer qualquer coisa. Eu estive pessoalmente com o governador duas vezes e com o secretário de Segurança, pessoalmente, pedindo que houvesse agilidade na investigação do incêndio", conta Valdir Rio Branco, ao Repórter MT.

O crime ocorreu, segundo a Polícia Civil, depois que os bandidos renderem o segurança e utilizaram líquido inflamável para colocar fogo no setor administrativo da Prefeitura - localizada na Avenida Comendador Luiz Meneghel, Centro, de Nova Bandeirantes - onde ficam guardadas documentações de recursos humanos, licitações, tributos, contabilidade e compras. O local ficou totalmente destruído.

PJC

operação Loki

Polícia cumpriu 10 ordens judiciais no município antes do incêndio.

Valdir Rio Branco é um dos investigados pelo ato, pois 12 dias antes do fogo, mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Operação Loki, deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), em três cidades do interior de Mato Grosso. 

Na ocasião, 10 ordens judiciais foram cumpridas só em Nova Bandeirantes.

"Não cometi tal ato. Ando de cabeça erguida pois não fiz nada. A hora que descobrir a real autoria do incêndio se abrirá uma caixa preta de uma série de coisas que acontecem neste município e que são pesadas", afirma o prefeito.