Quase 1 tonelada de pescado irregular é apreendido em MT

10/01/2019 11:21

A pesca amadora e o pesque e solte também estão proibidas neste período, que vai até 31 de janeiro

Redação 24 Horas News

Uma ação conjunta de policiais da 10ª Companhia de Polícia Militar e da Secretaria de Municipal de Meio Ambiente de Aripuanã (710 km de Cuiabá) levou à apreensão de 734 kg de peixes de diversas espécies, capturados ilegalmente no Rio Aripuanã.

Além de estar na Piracema, período proibitivo de pesca, os pescadores utilizaram de redes e outros apetrechos de uso proibido. A apreensão aconteceu nesta terça-feira(08.01), em um acampamento à margem do rio Aripuanã. No local havia cinco caixas de isopor cheias de pescado, galões, sacos e roupas próprias para acampamento, uma rede de pesca, entre outros objetos.

A PM patrulhou os rios Aripuanã e Canamã até a divisa com o município de Colniza. Essa ação teve como ponto de partida denúncias recebidas pela PM e pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente sobre pesca depredatória na região.

Ninguém foi preso e parte do pescado, que já estava imprópria para consumo humano, teve de ser descartada. A outra foi doada para creches e outras instituições filantrópicas da região. 

Mais apreensão

Durante operação de fiscalização em Itiquira nesta terça-feira (08.01), a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) e o Batalhão de Polícia Ambiental encontraram 202 kg de pescado irregular em um freezer, escondido na mata às margens do Rio Itiquira.

Os peixes das espécies pintado, cachara e dourado foram recolhidos e doados para a Comunidade Terapêutica Nascendo em Cristo e Casa Esperança – Sociedade Beneficente Nossa Senhora. A Sema-MT continua com o combate à pesca irregular neste período final da piracema.

Piracema

A Piracema é período em que os peixes estão em processo de reprodução. A pesca nesse período é crime e acarreta em prisão e multa que varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil com acréscimo de R$ 20 reais por quilo de peixe encontrado.

A pesca amadora e o pesque e solte também estão proibidas neste período, que vai até 31 de janeiro.

Na piracema só é permitida a pesca de subsistência, que é praticada por comunidades ribeirinhas que dependem do peixe para sua alimentação. A cota diária por pescador é de 3 kg ou um exemplar de qualquer peso, respeitando os tamanhos mínimos estabelecidos pela legislação para cada espécie. Porém os ribeirinhos devem consumir os peixes imediatamente e não podem transportar ou comercializar o pescado.

A Sema-MT atende a população para dúvidas e denúncias pela ouvidoria 0800-65-3838, pelo site do órgão ou pelo aplicativo MT Cidadão.